Resenha: Silêncio - Richelle Mead

quarta-feira, 19 de abril de 2017
Pelo que Fei se lembra, nunca houve um ruído em seu vilarejo — todos são surdos. Na montanha, ou se trabalha nas minas ou na escola, e as castas devem ser respeitadas. Quando algumas pessoas começam também a perder a visão, inclusive a irmã de Fei, ela se vê obrigada a agir e a desrespeitar algumas leis. O que ninguém sabe é que, de repente, ela ganha um aliado: o som, e ele se torna sua principal arma. Ao seu lado, segue também um belo e revolucionário minerador, um amigo de infância há muito afastado em função do sistema de castas.Os dois embarcam em uma jornada grandiosa, deixando a montanha para chegar ao vale de Beiguo, onde uma surpreendente verdade mudarásuas vidas para sempre. Fei não demora a entender quem é o verdadeiro inimigo, e descobre que não se pode controlar o coração.


               


              ❤ Autor: Richelle Mead  Páginas:278  Editora: Galera Record

O povoado de Fei está situado na mais alta montanha e um deslizamento fez com que o local tenha se isolado de todo o território do reino de Beiguo. Já se passaram décadas e desde que o vilarejo começou a sofrer com a surdez, e aos poucos também está se instalando a cegueira, principalmente à casta dos mineradores, mas também as outras castas: artistas e serventes, podem ser indiretamente afligidos por esse mal e todos sabem o quanto isso pode desequilibrar o sistema vigente naquela região. Lendas dizem que, todo esse mal se abateu para que os pixius, grandes leões com asas, possam dormir tranquilamente sobre a cidade. 

“A historia é de que, há muitos séculos, os pixius andavam pelo nosso povoado. Um dia, decidiram que iriam descansar e levaram embora os sons da nossa montanha para poderem dormir em paz”
O sistema de castas era claramente dividido pelas tarefas e hierarquia: na classe mais baixa existem os mineradores, responsáveis pela extração de minério que garante a troca pelos alimentos que o povoado recebe. Inicialmente o principal desígnio a população, como também é o destino de Li Wei, amigo de infância e amor secreto de Fei; de maneira intermediaria, o trabalho dos serventes é designar o alimento fracionado, manter a limpeza e a ordem por certos locais, além de outras tarefas ao cunho de sobrevivência. E finalmente os artistas, responsáveis por pintar telas que trazem a informação dos principais acontecimentos no vilarejo. Fei é uma das melhores artistas de todo o povoado, e seu talento sempre lhe cedeu algumas vantagens. Todas as outras castas devem reverenciar os artistas pela superioridade da casta, e um integrante de uma casta não tem permissão para se relacionar com pessoas além de sua mesma.


“A mulher encapuzada de repente faz um gesto enfático. Acompanho a direção da sua mão e vejo dois dos sentinelas avançando decididamente pelo meio da multidão, claramente atrás de alguma coisa.”
Fei se mostra uma personagem forte, bondosa  e determinada, sua generosidade principalmente para com sua irmã se mostra ilimitada, e até mesmo por ela a artista toma a decisão de partir para libertar seu povo. Por mais que Li Wei se denomine um bárbaro, o jovem é dotado de muito amor e compaixão ao próximo, sua coragem de se arriscar e ousar para um bem maior se mostra infinita e seu romance com a garota pode desafiar qualquer coisa que o tente impedir de alcançar seu caminho a ser trilhado. De forma inédita, essa aventura romântica retrata localidades, costumes e um pouco de mitologia da China, trazendo um pouco da beleza ímpar conhecida da Ásia.


A obra possui uma riqueza de detalhes muito pura e seu conteúdo é de um teor é muito delicado, ainda que alguns capítulos deveriam ter recebido uma atenção maior e o desfecho ter faltado informações preciosas. Mesmo a comunicação dos personagens não sendo propriamente falada, a linguagem em sinais a substitui muito bem. A narração em primeira pessoa expõe ao leitor toda essa experiência de uma maneira muito intima ao ponto de vista de Fei. A questão da deficiência auditiva foi retratada de forma minunciosa, e quando a protagonista retoma esse sentido, ele é tratado de uma maneira jamais  imaginada. Cada estimulo sonoro que a garota recebe se mostra singular, na beleza de um canto de pássaro ou no som oco de uma caixa colidir com o chão, até mesmo na simplicidade do cair da chuva, a leitura retrata beleza. E tudo isso é encontrado no nosso cotidiano e nem sempre paramos para dedicar devida atenção.
“Ele agora está indignado. Você não deveria ter que se casar porque outra pessoa quer que seja assim, ou porque parece ser a melhor escolhe. Tem que se casar com alguém que ame você. Alguém que a amea ponto de ser capaz de ,udar o mundo por sua causa.”

A maior parte do enredo possui uma sintonia harmoniosa, mas é possível encontrar fragmentos reticentes. A leitura é leve, porém sem grandes emoções. Apesar da beleza do texto, é possível encontrar alguns erros de correção e palavras que não se encaixam bem ao texto. O livro segue despretensioso e não foi capaz de me prender totalmente à historia, por isso o dedico uma nota 3. Silencio abriga em seu final, uma sugestão de um segundo livro, o que pode organizar todas as pontas soltas encontradas até agora na obra.


Mariene Pettioti
20 anos. Geminiana do coração de flores. Viagem dos sonhos: Estrada Real, prisioneira de histórias, lava a alma com chuva, músicas narram momentos.

10 comentários:

  1. Olá, Mariene.
    Eu até comecei a ler esse livro, mas acabei deixando de lado porque acho que não era o momento certo para eu ler ele. E narrativa em primeira pessoa é uma coisa que não gosto muito. Mas vou tentar ler de novo futuramente, e quem sabe eu aprecie mais hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sil. Algo que gostei muito nesse livro foi o romance puro que ele contém. Talvez esse pequeno detalhe possa te atrair um pouco mais...
      Beijos

      Excluir
  2. Primeiro: que fotos lindas <3 sério, ficaram ótimas! Segundo, a diagramação desse livro é incrível ein, eu leria só por essa capa! Adorei a sinopse também, parece uma ótima história, eu conheço essa autora e já li outros livros dela, então sei que é bom. Ótima resenha!

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Li
      A capa realmente é incrível, apesar de eu achar que a roupa dela deveria ser azul clara ou vermelha, pelas vestimentas que a Fei usa no livro haha

      Excluir
  3. Oi, Mari!
    Eu amo a Richelle, mas vi tanta resenha negativa sobre o livro que resolvi nem ler que é pra não me decepcionar com a autora.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção #Sorteio1KSeguidores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luiza
      O conteúdo do livro é realmente bom, mas algumas críticas se devem pelo fato de ser pouco explorado, acho eu
      Beijos

      Excluir
  4. Oi Mari! Tudo bom?
    Richelle é uma das minhas rainhas para sempre, amo Vampire Academy mais que lasanha! Tenho Silêncio aqui comigo, mas ainda não consegui ler. Vi várias resenhas negativas, mas ainda vou encarar porque gostei bastante do tema e da ambientação. Talvez por não pegar ele com tanta expectativa eu acabe me surpreendendo.
    Adorei sua resenha!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Denise ❤
      Realmente o conteúdo pode se mostrar surpreendente de outro olhar
      Obrigada pelo elogio, beijos

      Excluir
  5. Oi Mari! Eu gosto muito da autora e uma colaboradora até que gostou da leitura, mas parece ser um livro bem morno, né? Vou deixar passar por enquanto rsrsrsrs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante
    Sorteio A guerra que salvou a minha vida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi
      O livro acabou deixando muita coisa no ar, até então. E o final feliz não foi tão feliz assim hahaha

      Excluir

 
© Blog Resenha Atual - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda Tecnologia do Blogger.
imagem-logo